Minha Cinderela Interior – Primeiras Páginas

Capítulo I

 Entrar na faculdade foi um grande marco em minha vida, principalmente depois de ter passado o ultimo ano fazendo cursinho e correndo das pressões familiares tão normais quando se acaba o colégio e todo mundo quer saber o que você vai fazer agora que “cresceu.”

Escolhi o curso de administração de empresas e estou começando o segundo semestre em uma faculdade na cidade onde eu moro. Para ir de ônibus demora quase uma hora, pois ele dá muita volta, então meu generoso pai me deu um carro de presente. É certo que o carro já não paga mais IPVA, pois é mais velho do que eu, mas para minhas necessidades não é tão ruim. Tirando nos dias de chuva, pois o vidro embaça e mal adianta passar o pano para melhorar a situação. Mas ainda é melhor que descer até a estrada e ir de ônibus.

Hoje meu companheiro é o computador, pois minha melhor amiga passou em uma faculdade pública e se mudou de Sagres. Tudo bem que o fato dela poder mudar foi uma benção, pois seus pais estão em processo de “separa, não separa” e ela queria mais é ficar bem longe dessa situação. Conversamos pelo MSN, pois por telefone encarece demais a conta e minha mãe já reclamou. Entendo que foi ótimo para a Cíntia poder se mudar, mas sinto falta dela.

Meus pais se separaram a oito anos e foi uma barra passar a minha adolescência dividida entre as brigas deles e ter obrigação de ficar um final de semana sim e outro não, na casa de meu pai e da nova mulher que ele arranjou. Falar a verdade, eu não sei com que idade você deixa de ser adolescente, mas apesar de já ter dezenove anos, minha mãe me trata como se eu tivesse doze.

Não ganho muito trabalhando como recepcionista de uma clínica de médicos e dentistas, mas dá para diminuir a despesa que eu dou para minha mãe. Afinal, seu novo marido não tem que ajudar a bancar a filha (adolescente?) dela.

O filho de catorze anos dele também está naquela sina dos finais de semana, porém ele vem todos para cá. Pelo menos o Ronaldo teve a decência de deixar um cômodo mais ou menos parecido com um quarto/escritório para o Vinícius. Eu dormia na sala quando ia para a casa de meu pai…

Tá bem, eu não posso reclamar muito, pois ele até tentou ser um bom pai na medida do possível. Paga minha faculdade e me ajuda quando eu preciso, então está na hora de deixar as picuinhas de criança de lado e levar a vida de modo mais adulto (?). Eu juro que estou tentando.

Vivo brigando com a balança e preciso urgentemente diminuir o meu manequim que está em 46, pois isso arrasa com minha auto estima, mas não sei mais o que fazer. Essa história de comer só alface e beber água deve dar certo com as modelos, mas com gente de verdade, eu não sei não.

Comprei umas revistas que falam de beleza, mas na realidade, aquilo só me deprimiu. Eles colocam uns cardápios prontos e eu fico imaginando se alguém realmente segue aquilo! Tem ingredientes ali que eu nem conheço e outros que estão bem fora do meu orçamento, daí eu fico imaginando se água e alface estão mesmo fora de questão.

Academia? Bem, eu não tenho… tempo eu até tenho, o que me falta é disposição. Minha mãe sempre disse que eu sou preguiçosa e eu estou começando a acreditar nela. Não consigo saber o que é pior, ficar sem comer ou ter que fazer exercícios…

Sempre faço as unhas, pois meu serviço exige uma boa apresentação e pinto o cabelo de loiro, mas essas coisas não ajudam quando dou de cara com um homem bonito. Se eu pudesse, juro que me esconderia deles. Tenho a sensação que pensam que sou uma idiota se passasse pela minha cabeça que eles me achariam atraente. Acho que é isso que passa pela cabeça de toda gordinha que “tem o rosto lindo”, mas subentendesse que o resto pode jogar fora.

Um dia desses eu quase morri do coração. Estava distraída marcando uma nova consulta para a cliente da ginecologista e mal vi o cara mais lindo da faculdade encostar no balcão. Ele me cumprimentou com um sorriso encantador e eu tive que segurar a respiração quando  finalmente pude ouvir a voz dele.

– Boa tarde, meu nome é Victor e eu tenho consulta marcada com o dentista.

Então o nome dele era Victor? Senti meu rosto corar só com o fato dele estar me olhando. Puxei sua ficha no computador, me sentindo feliz por ali constar o endereço, telefone residencial e celular… Como mulher é idiota! Por que ficamos felizes com uma coisa boba dessas?

Pela data de nascimento ele é de touro e tem vinte e três anos… Touro é teimoso, mas se dá bem com a maioria dos outros signos… Pensando bem eu não sei se isso é uma coisa boa.

Meu Deus! Ele continuava me olhando e sorrindo de forma maravilhosa… A única coisa que estragava era aquele cabelo comprido estilo Keanu Rivers em um filme antigo. Eu não faço ideia qual a altura desse homem, mas perto dos meus míseros um metro e sessenta e alguns, ele é enorme! Fiquei olhando para cima por alguns segundos, quase me esquecendo de dizer para ele aguardar um pouquinho que logo seria atendido, mas ele me interrompeu.

– Eu vim para fazer o orçamento, mas sabe me dizer se ele pode começar hoje mesmo?

Levei um tempo para processar a informação, respondendo quase atropelando as palavras que ele tinha que conversar com o dentista. Eu sei que fiz papel de idiota olhando para ele daquela forma, mas juro que me senti hipnotizada. Meu coração estava tão acelerado, que tive medo dele perceber aquilo de alguma forma.

Não tinha ideia por que um homem com dentes tão perfeitos tinha necessidade de estar ali…

Em todos os romances açucarados que eu leio, os galãs são descritos com alhos azuis e, na pior das hipóteses, com olhos verdes, mas aqueles olhos castanhos já me deixariam bem felizes se continuassem me fitando por mais uns quinze minutinhos…

Gritei um “acorda Cinderela” dentro da minha cabeça e consegui balbuciar para ele aguardar. Não vou negar que quase me doeu o fato dele se afastar do meu balcão para ir sentar-se no sofá, e que as vezes eu arriscava uma espiadinha, desejando que ele tivesse um tratamento longo naquela boca linda. Ai, ai!

Quando eu peguei a ficha para levar para o dentista, foi que percebi que teria que dar a volta pelo balcão e ele me veria de corpo inteiro. Isso me causou calafrios e eu acabei não resistindo em murchar a barriga e prender o ar para poder atravessar a sala. Sei que é muita pretensão da minha parte em imaginar que ele olharia para mim, mas se acontecesse dele me ver passando, assim por acidente, pelo menos ia ter uma visão menos grotesca.

Infelizmente o Dr. Samuel estava de bom humor e não me pediu para ajeitar o paciente para ele, pois geralmente sou eu que coloco o avental (aquele que parece um babador) e entrego o lenço. Sempre achei isso uma frescura, mas justo hoje que eu faria com o maior prazer, ele me dispensou. Tudo bem, eu estava feliz por ter Victor como cliente na clinica.

Depois que ele entrou no consultório, eu tive um bom tempo de preparo psicológico para falar com ele novamente sem precisar gaguejar… (continue lendo mais um pedacinho).


Links

Passei os ultimos dias lendo, entrando nos blogs para ver como andam as coisas e aprendendo. Claro, do mesmo jeito que quem escrever deve ler muito para achar seu próprio seguimento e se familiarizar com as palavras, quem tenta fazer um blog deve seguir o mesmo caminho.

Li a respeito do “nicho” e dizem que no blog você deve linkar outras páginas com o mesmo assunto que o seu. Beleza, entendi o motivo, pois quando faço uma pesquisa é natural querer ler mais a respeito daquilo.

Por esse motivo estou engordando a minha lista de links. Não estranhem.

Atualização: Tirei os links da lateral e fiz uma página “Entre blogs” para listar o pessoal. Confere, pois ficou bem bacana. Beijinhos


Minha Cinderela Interior – Registro

Hoje eu estou muito feliz!! Motivo? Enviei à Biblioteca Nacional o meu primeiro livro para registro!!

Eu sei que vai demorar um pouquinho para receber a resposta, mas vocês tem ideia do que significa isso? O primeiro grande passo nessa minha jornada!

Acreditam que eu tirei umas fotos da minha “criança” antes de ir para o banco/correio? Preciso compartilhar esse momento, então me perdoem…

Desculpem se eu exagerei...

A coisa mais incrível é a minha cara de boba!!

Esse é (duplamente) um pedaço de mim!

 


Escrever um blog é legal, mas os detalhes matam!

A coisa mais difícil do mundo é tentar fazer o que você, nem de longe, domina.

Escrever um blog é legal, mas os detalher matam! Ontem passei o dia todo pesquisando como colocar os tais botões do twitter e facebook, mas o que aprendi?

Aprendi que preciso mesmo da ajuda do maridão! O Ferramentas Blog é um site maravilhoso e com certeza eu recomendo, mas falta uma força da Graziella aqui…

A boa noticia é que agora tenho um Facebook e um Twitter.

A má notícia? Estou mesmo aprendendo a dominar essas gracinhas e tentando não ficar louca!

Em breve estarei com meus liks em ordem (espero…)

 


Livros

Por onde começar? Pelo começo? O problema é achar onde foi o começo…

Histórinha bonitinha: Comecei a escrever meus romances com uns onze,  doze  anos e… um eu queimei e os outros foram literalmente para o lixo! Nossa, como eu escrevia mal!

Não me arrependo, pois se alguém fosse ler aquilo, eu ficaria envergonhada! Claro que para uma criança estava bom, vovó empolgada pelo fato de eu gostar de escrever, mas quando fiquei mais velha e li aquilo, logo imaginei: “Familia não é um bom termômetro para indicar se alguém tem talento”.

Não foi exatamente isso que eu imaginei, mas deve ter passado perto.

Reinício

Não sei bem quando comecei a levar a coisa a sério, mas foi depois de perceber que eu me divertia muito com aquilo. Eu não sou escritora e não vivo sem meu editor de textos, pois tem um monte de coisas que eu escrevo errado, mas mesmo assim eu adoro colocar minhas ideias no papel.

Já tenho alguma coisa pronta para poder começar a engatinhar, porém ainda tenho algumas dúvidas de qual romance começar a trabalhar no blog.

Uma pequena prévia

Escrevo romances. Só que tenho que contar um segredo antes que alguém se aventure em embarcar em uma de minhas histórias.

Sabe quando chega a hora de finalmente o casal se acertar e ter a sua primeira noite de amor? Odeio quando estou lendo alguma coisa e o capítulo termina, deixando para minha imaginação completar esse momento.

Meus romances são carinhosamente chamados de  eróticos por que gosto de descrever esses momentos. Me preocupo com o conteúdo, com o enredo, com a carga sentimental da história, mas sem um tempero não tem graça.

Espero que a maioria também pense assim.


Coincidências?

Agradável surpresa na minha quinta-feria!

Depois de um dia estressante, encontrei um velho amigo em uma padaria maravilhosa que tem no bairro em que moro. Não nos víamos a uns dois anos e coincidentemente pensei nele nesta semana.

Marcelo Pavanelli, autor do livro Passado Presente, me prometeu há alguns anos que, quando eu fosse editar meu primeiro livro, ele faria meu prefácio. Eu estou cobrando a promessa (rs…).

Vou separar uma de minhas crianças e encaminhar para a leitura (ai que emoção!) desse tão adorável escritor.

Conversamos rapidamente sobre nossos projetos e tenho certeza que em breve teremos mais uma obra sua editada.  Bem, eu estou começando, mas cheia de ideias para um futuro próximo.

Acho que chegou a hora de começar a falar para vocês sobre os meus projetos. Aguardem!!


O que você está fazendo?

As vezes meu telefone toca e eu não tenho vontade de atender…

Quando estou escrevendo e a cena está viva em minha cabeça, a única coisa que quero é colocar tudo aquilo no papel, quer dizer, no editor de texto. Daí o telefone toca!!

Nesse momento imagine a musiquinha do filme “Psicose” tocando de fundo…

Um Maluco Genial!

- Alô.

- O que você está fazendo?

- Escrevendo…

O efeito que isso produz? Nenhum! Seria a mesma coisa que responder: “Nada”

As pessoas “normais” muitas vezes não entendem que escritores, pintores, compositores, programadores e outros “malucos” de plantão vivem de inspirações.

Na maioria das vezes temos um curto espaço de tempo para poder fazer o que realmente gostamos e o mundo a nossa volta parece não entender. Então ganhamos o apelido carinhoso de excêntrico (na melhor das hipóteses) e até ficamos felizes com isso! Quando se é louco, ninguém estranha nossas loucuras. Isso ajuda.

A todos os malucos, sonhadores, excêntricos, artistas e doidos varridos, um grande abraço. Tenham paciência com as pessoas “normais”, pois elas não entendem.


Como Editar Meus Livros?

Uma vez eu li que muita gente sonha com a noite do lançamento de seu livro, com as dedicatórias, autógrafos, fotos para registrar o momento… a fama! Sonha, mas não sabe o que é sentar e escrever a história.

Bem, eu sei o que é escrever uma história. Aquela cena que não sai da sua cabeça e desenrrolar todo um contexto a volta só para chegar naquele ponto, mas… Como editar meus livros?

Se você tiver dinheiro é fácil, mas se não for o caso… Existe uma saída? Passei o dia pesquisando a esse respeito e vou compartilhar o que achei mais interessante:

Livros, livros, livros!!Sites que poderão ajudar: Giz Editorial, CBJE e Virtual Books.

Tem também dois sites fenomenais, que eu li e gostei muito: O Nerd Escritor e o “Escreva o seu Livro

E, finalmente, mas não menos importante: o Clube de Autores. É neste site que fiz minha inscrição e em breve vou colocar meus livros para editar.

Só estou aguardando a greve dos Correios X Bancos acabar, para poder registrar o meu primeirissimo livro e colocá-lo no Clube de Autores!

Já ia esquecendo! Também peguei duas páginas com endereços de Editoras, para aqueles que preferem se aventurar em mandar suas obras e ver se conseguem um meio mais clássico para editá-las: (elas parecem um pouco desatualizadas, mas vale a pena conferir) Relação 01 e Relação 02.

Boa Noite à todos e um ótimo final de semana.


Direitos Autorais

Passei um tempão colocando minhas ideias em um editor de texto, comentei sobre minhas histórias com a família e amigos mais chegados, estou empolgada, mas ainda me sinto insegura. Fico imagimando que registrar meu livro é um bicho de sete cabeças…

Até editar pode ter umas cinco… mas para registrar,  sete eu sei que não tem. Dá uma lida no site da Biblioteca Nascional, mais especificamente em “Registros e Averbações” do Escritório de Direitos Autorais (EDA).

Pelo menos você, candidato a escritor (assim como eu), pode perceber que pelo menos suas ideias, seu livro, sua história tão querida estarão protegidas.

Soou cafona, eu sei, mas o que vale é a intenção…

Depois tem o problema de se registrar como autor/escritor e… Enfim, tem um site coligado com a Biblioteca Nacional que vai te explicar bem, é só ter pasciência para dar uma lida: Agência Brasileira do ISBN.

Espero ter ajudado em alguma coisa.

Bjs

 


O Início

Um dia me fizeram a pergunta que mudou minha vida: “O que realmente você gosta de fazer?”

Pensei muito antes de responder. Parece fácil, mas olhar para dentro de você e chegar a uma resposta corajosa e verdadeira é bem complicado.

“Gosto de escrever!”

A surpresa foi só minha. De forma tímida, fui colocando no papel as idéias sufocadas (por mim mesma) durante os anos.

Caminho tortuoso e solitário? Não mesmo! Divirto-me tanto que mal tenho tempo de dar uma espiadinha na televisão. Procuro usar meu tempo livre para fazer o que gosto.

Nova Etapa

Escrever sem ter alguém para compartilhar não é tão legal. Já ouvi dizer que um escritor escreve primeiro para ele mesmo, mas e depois? Depois você quer mais.

Pesquisando e procurando novos caminhos, cheguei aqui… tentando usar uma ferramenta que desconheço, mas animada com as novas possibilidades.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...